Ruído… ISO… o que você precisa saber? – Parte II

O ruído não apenas depende da exposição da câmera, mas também depende da imagem em si. Regiões mais escuras apresentarão mais ruído que regiões mais claras, conforme demonstram as imagens abaixo tiradas de uma mesma foto, mas em posições diferentes.

Conforme os tons se tornam mais claros o ruído se torna menos pronunciado, pois essas possuem um sinal eletrônico maior devido à maior quantidade de luz, resultando numa relação sinal-ruído elevado. Ou seja, imagens que são sub expostas terão ruídos mais visíveis.

O ruído é composto de dois elementos: flutuações na cor e luminância. Ruído colorido ou chroma tem geralmente uma aparência não natural, podendo deixar a imagem final inutilizável. Abaixo temos esses dois elementos separados para um melhor entendimento.

A quantidade relativa de ruído chroma e luminância podem variar significativamente de uma câmera para outra e a redução desses dois ruídos feita em softwares de edição de imagem podem levar as fotos à uma aparência “plastificada”.

Entrando numa parte mais técnica (e tentando simplificar essa ao mesmo tempo), as flutuações de ruído também podem variar na sua magnitude e espaço de frequências. Para quem não sabe, espaço de frequência é qualquer estrutura periódica no espaço (veja a figura abaixo para frequência baixa, média e alta para baixo e alto contraste).

Se considerássemos  apenas as magnitudes das flutuações do ruído, poderíamos dizer que a figura abaixo da direita possue mais ruído. Inspecionando visualmente essas, vemos exatamente o contrário e isso se deve às distintas frequências dessas.

A magnitude do ruído também é descrita com base em medidas estatísticas chamadas desvio-padrão, que quantifica a variação do pixel em comparação ao seu valor “real”. Esse conceito fica mais fácil de entender olhando o histograma abaixo. Note que quanto mais ruído, mais larga fica a curva do histograma.

Mas finalmente, o que você precisa saber?

Entender que o ruído é dividido em dois elementos, flutuações na cor e luminância, pode te ajudar a melhorar suas fotos em softwares como Lightroom.

Saber que quanto maior a área de um pixel no sensor da câmera maior será a capacidade de receber luz, ocasionando numa melhor relação sinal-ruído, pode te ajudar na escolha da sua próxima câmera.

Se lembrar de que não apenas a magnitude do ruído, mas também sua frequência afeta sua imagem, pode te ajudar na sua próxima exposição…

 Abraços,

Lucas Bitar

Ruído… ISO… o que você precisa saber? – Parte I

Em situações com pouca luz, sua câmera compacta ou SLR quando configurada no automático, aumenta a abertura ou diminui a velocidade do obturador (para aumentar a quantidade de luz que atinge o sensor), podendo ocasionar em fotos tremidas tanto pelo movimento da sua mão quanto o movimento das pessoas que estão posando.

Uma das soluções é você utilizar o flash para colocar mais luz na cena. Outra alternativa é aumentar o ISO, mas dependendo da intensidade desse segundo, a imagem poderá apresentar ruído.

Mas o que seria esse ruído? Para uma ideia mais clara, podemos fazer uma analogia de quando aumentamos o volume do aparelho de som no máximo e escutamos um ruído no fundo. Algo semelhante acontece nas fotografias.

Para imagens digitais, este ruído aparece como pequenos pontos de cores em lugares aleatórios numa superfície que deveria ser lisa/suave e esse pode degradar significativamente essa.

O ruído aumenta com a sensibilidade da câmera (ISO), tempo de exposição, temperatura e até mesmo apresenta variações para diferentes modelos de câmera.

Pode-se dizer que a velocidade ISO descreve a sensibilidade absoluta à luz e essa é geralmente listada em fatores de 2 (ISO 400, ISO 800, etc) e é obtida na câmera amplificando-se o sinal da imagem e consequentemente, introduzindo ruído nessa. Números mais altos representam uma sensibilidade maior, ou seja, uma foto tirada em ISO 200 precisará da metade do tempo de exposição do que uma foto com ISO 100.

O ruído pode aparecer de três maneiras: baixo ISO e longa exposição (Fixed Pattern Noise), alto ISO e curta exposição (Random Noise) e em sombras utilizando-se ISO alto (Banding Noise). Breve resumo destas:

Fixed Pattern Noise é quando a intensidade do pixel supera as flutuações do random noise e inclui os chamados “hot pixel”.

Random Noise é caracterizado pela intensidade e flutuações de cores.

Banding noise depende da câmera utilizada e é o ruído introduzido na leitura dos dados no sensor digital. Essa é mais visível em ISO alto nas sombras clareadas.

Fixed Pattern Noise – Longa exposição, ISO baixo:

Random Noise – Curta exposição – ISO Alto:

  

Banding Noise – Câmeras susceptíveis – Sombras clareadas:

Saber as características do ruído de uma câmera digital irá ajudar você a entender como esse influencia suas fotos. Na parte II iremos falar um pouco das características do ruído (chroma, luminância, etc.)

Lucas Bitar 

 

%d blogueiros gostam disto: